Cicloturismo

O termo Cicloturismo refere-se desde a pequenos passeios de bicicleta até grandes viagens pelo mundo.É uma grandes viagens pelo mundo.É uma atividade que une o esporte (ciclismo) com o lazer e o turismo. Através da bicicleta, o praticante pode ter um contato maior com a natureza e a cultura dos locais visitados. O viajante de bicicleta causa uma empatia muito grande, e é sempre bem recebido por onde passa.

O cicloturismo abrange todas as faixas etárias e não exige um condicionamento físico especial, sendo acessível a um grande número de pessoas. Por não ser uma competição, cada um determina seu próprio ritmo e objetivo.

Equipamento Completo de Segurança

  • Bicicleta: Escolha o tamanho adequado (existem vários números de quadros, o tamanho mais comum é para pessoas de cerca de 1,70m de altura). Verifique se a bicicleta é adequada para o tipo de terreno onde irá pedalar. O tipo de bicicleta mais versátil é a mountain bike, pois pode ser utilizada tanto no asfalto como em estradas de terra. É importante que a bicicleta tenha passado por uma revisão completa antes do passeio. Recomenda-se também a limpeza e manutenção na volta.
  • Capacetes e Luvas próprios para ciclismo: Nunca pedale sem estes equipamentos de proteção, mesmo em estradas e trilhas de pouco movimento.
  • Caramanholas: As garrafinhas de água presas ao quadro da bicicleta, permitem que você tenha água sempre à mão.
  • Acessórios: Bolsa de selim ou guidão contendo itens necessários no passeio como: kit de reparo de furos (ou uma câmera reserva), ferramentas básicas, bomba de ar, kit de primeiros socorros, filtro solar e um alimento energético. Lembre-se também que conforme o Código de Trânsito Brasileiro, são equipamentos de segurança obrigatórios: espelho retrovisor no lado esquerdo do guidão, campainha e sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais.

Coluna do Especialista

    Cicloturismo 2

    Boa prática 1

    Quando comprar uma bicicleta nova, antes de usá-la leve-a a uma oficina para uma revisão, pois muitas peças podem vir de fábrica soltas ou desreguladas.

    Boa prática 2

    Respeite para ser respeitado: sinalize suas ações para outros veículos e dê a preferência aos pedestres.

    Boa prática 3

    Estude bem o roteiro para onde irá. Em alguns casos é bom estar preparado, levando alguns equipamentos extras como: capa de chuva, farol, agasalho e óculos escuros.

    Principais riscos da atividade
    Os principais riscos do cicloturismo aparecem quando se realiza um percurso de uma dificuldade acima da qual se está preparado em termos físicos ou técnicos. No caso de iniciantes, o maior perigo é uma queda devido à falta de domínio sobre a bicicleta. Antes de sair para um passeio maior, deve-se treinar num local com nível de dificuldade baixo.
    Para os mais experientes, o risco está geralmente no excesso de velocidade ou nas manobras arriscadas. Deve-se sempre andar numa velocidade baixa, qualquer que seja a habilidade ou experiência do praticante.
    Outro risco são os acidentes de trânsito. Em estradas de asfalto pedale no acostamento e evite as estradas movimentadas. Jamais pedale na contra-mão.
    Dicas de segurança
    • Quando comprar uma bicicleta nova, antes de usá-la leve-a a uma oficina para uma revisão, pois muitas peças podem vir de fábrica soltas ou desreguladas.
    • Esteja seguro de que você ou alguém do grupo possa realizar pequenos consertos e ajustes na bicicleta;
    • Respeite para ser respeitado: sinalize suas ações para outros veículos e dê a preferência aos pedestres;
    • Sempre deixe avisado para onde você está indo e o horário de chegada previsto;
    • Estude bem o roteiro para onde irá. Em alguns casos é bom estar preparado, levando alguns equipamentos extras como: capa de chuva, farol, agasalho e óculos escuros;
    • Muito cuidado com o excesso de sol. Beba muita água sempre (mesmo antes de sentir sede) e use filtro solar;
    • Calcule para sempre sobrar um pouco de água e alimento para o caso de algum imprevisto.

    Códigos de conduta

    Usuário:

    • O usuário deverá ter condições de segurança durante o passeio, evitando rodovias com grande fluxo de veículos;
    • O prestador do serviço deve obter a autorização por escrito dos pais ou responsáveis no caso de usuários menores de 18 anos;
    • O participante deve ser informado do grau de dificuldade física e técnica do passeio e sua duração;
    • O prestador deve informar ao participante, no ato da contratação do serviço, dos itens básicos indispensáveis e os específicos para cada passeio, tais como capacete, luva, vestuário adequado, farol, protetor solar, água, alimentação e outros;
    • O usuário deve ser informado se haverá ou não carro de apoio durante todo o percurso do passeio, bem como sobre peças de reposição e ferramentas para mecânica de emergência;
    • Deve ser realizado um percurso preliminar, a fim de que o prestador de serviço possa identificar se a aptidão técnica do participante e seu equipamento estão adequados ao trajeto a ser percorrido;
    • O usuário deve ser instruído a respeito das normas de trânsito e da maneira de conduzir a bicicleta dentro de um grupo de ciclistas;
    • O usuário deve preencher ficha com dados médicos antes do passeio. No caso do prestador de serviço oferecer bicicletas aos participantes, deverá observar as seguintes condições nas mesmas:

    Bicicleta:

    • As bicicletas devem estar em bom estado de conservação, tendo passado por uma revisão geral anterior ao passeio;
    • A bicicleta oferecida deverá ter tamanho de quadro adequado à altura do participante. Deverão ser fornecidos os seguintes equipamentos no caso do participante não possuí-los:

    Equipamento

    • Capacete;
    • Luvas;
    • Caramanholas;
    • Bolsa de selim, de guidão ou similar, onde o participante possa levar objetos pessoais, não utilizando mochila nas costas.

    Supervisão das atividades

    • Os passeios deverão ser acompanhados por monitor, maior de 18 anos, e comprovadamente conhecedor da atividade;
    • O monitor deve ser competente para identificar as limitações do participante e ajustar as atividades para suas limitações;
    • Todos os usuários devem ser considerados iniciantes até prova em contrário;
    • O monitor deve ter conhecimento básico de mecânica de bicicletas para realizar pequenos consertos e ajustes;
    • Para passeios com carro de apoio, cada grupo de no máximo 10 clientes deve ser acompanhado de 1 monitor. O número mínimo de monitores deve ser 2, mesmo que o grupo tenha menos que 10 clientes;
    • Para passeios sem carro de apoio, cada grupo de no máximo 5 clientes deve ser acompanhado por 1 monitor. O número mínimo de monitores deve ser 2, mesmo que o grupo tenha menos que 5 clientes;
    • A quantidade de clientes por monitor pode ser menor do as citadas acima, de acordo com o grau de dificuldade e os riscos envolvidos no percurso;
    • Um monitor deverá se posicionar na frente do grupo e outro atrás. Ambos deverão ter rádios de comunicação;
    • Os monitores devem manter o grupo coeso e não permitir que os clientes avancem além do primeiro monitor ou fiquem atrás do último. A distância entre o monitor da frente e o de trás deve permitir a comunicação via rádio permanente;
    • O carro de apoio deve fazer o eventual transporte de pessoas no interior do veículo, não utilizando a caçamba para esta finalidade;
    • Os monitores devem obrigatoriamente ter treinamento em primeiros socorros e conhecimento dos principais hospitais ou centros médicos da região;
    • Os monitores devem ter pleno conhecimento do roteiro, bem como de possíveis rotas alternativas para a diminuição de percurso;
    • Durante todo o percurso os monitores deverão estar atentos às condições físicas dos clientes, inclusive em relação à hidratação.
    Como toda atividade realizada em altura, o Arvorismo tem como principal risco a queda do participante (que pode ser até o chão, ou queda parcial com impacto forte provocado por pêndulo ou tranco). Utilizando uma montagem correta tecnicamente, equipamentos e procedimentos adequados aliados a um bom sistema de segurança anti-queda, este risco pode ser completamente anulado.

    • Garanta que objetos pessoais (máquinas fotográficas, óculos, celular, etc) estejam devidamente presos.

    A forma com que o equipamento individual (E.P.I.) é colocado no praticante e as instruções sobre procedimentos e segurança também são muito importantes.

    As pontes e estruturas basicamente são feitas utilizando cabos de aço, eucaliptos tratados, madeiras diversas (compensados, vigas), cordas, redes e plataformas fixas (usadas para fazer a interligação das pontes).

    Sistema de proteção anti-quedas:
    É o principal sistema de um circuito de Arvorismo, que funciona quando o participante escorrega de uma ponte ou plataforma, evitando a queda. Deve ser montado com cabos ou cordas independentes, acima da altura dos ombros dos participantes, e deve possuir sinalização e funcionamento simples e objetivo. Existem basicamente 2 tipos de sistemas de segurança:

    • Com roldanas e polias: Existem cabos entre as plataformas, e os praticantes passam pelas pontes presos por roldanas. Os próprios participantes trocam as roldanas ao chegar em cada plataforma de interligação, passando para o cabo seguinte, sempre trabalhando com 2 solteiras, evitando ficar solto enquanto faz a troca. Neste sistema o praticante deve estar atento, e quanto mais monitores estiverem operando o circuito melhor será o nível de segurança. Neste caso, se o circuito oferecer um monitor por plataforma, o praticante não precisa se preocupar com este procedimento, sendo realizado pelo monitor.
    • Com cabo contínuo: Existe um cabo contínuo, sem emendas, passando por todo o percurso. O praticante sai desde o início preso a este cabo por uma peça especial. Em cada plataforma o praticante deve passar esta peça através de um encaixe nos locais onde o cabo está preso. Exige menos atenção do praticante, e menos monitores no circuito. Este sistema ainda é pouco utilizado no Brasil, pela falta de material certificado disponível.
    Para tirar o melhor proveito dessa prática, as condições climáticas adequadas são essenciais:

    • A atividade deve ser evitada em dias de chuva ou de muito vento, pois o praticante pode escorregar e há o risco de quedas de galhos.
    • Repare se há sombra no local da atividade. A exposição prolongada ao sol pode gerar desidratação e insolação, portanto leve água e utilize protetor solar.
    • Também deve ter condições de luminosidade adequadas.
    • Algumas regiões tem maior presença de animais peçonhentos, informe-se sobre os cuidados que devem ter nas atividades feitas na natureza para evitar picadas.
    Arvorismo_by jjjj56cp
    Arvorismo_by Jorge

    Você é prestador de turismo?

    Conheça as normas de segurança, certifique-se e seja nosso parceiro!

    Vai viajar?

    Confira dicas de lugares para a prática do Cicloturismo:

    A conexão do Cicloturismo com a natureza faz do Brasil um lugar perfeito para a prática, temos diversos circuitos de aventura a serem explorados:
    • Manaus – AM
    • Monte Roraima – RR
    • Santarém – PA
    • Porto Velho – RO
    • Lençóis Maranhenses – MA
    • Serra do Capivari – PI
    • Fortaleza – CE
    • Natal – RN
    • Araruna – PB
    • Recife – PE
    • Delmiro Gouveia – AL
    • Jalapão – TO
    • Chapada Diamantina – BA
    • Chapada dos Guimarães – MT
    • Chapada dos Veadeiros – GO
    • Bonito – MS
    • Serra do Cipó – MG
    • Domingo Martins – ES
    • Rio de Janeiro – RJ
    • Socorro – SP
    • Brotas – SP
    • Foz do Iguaçu – PR
    • Florianópolis – SC
    • Serras Gaúchas – RS

    Para verificar se uma empresa de turismo é registrada, consulte o site do Ministério do Turismo www.cadastur.turismo.gov.br