Loading...

CAMINHADA COM SEGURANÇA

Nada melhor do que uma boa caminhada ao ar livre! De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Brasil possui mais de 40 parques nacionais a serem visitados. O contato com a natureza, o prazer de uma trilha, o piquenique com os amigos e o encanto de belíssimas paisagens.

Mas muitas vezes a diversão pode se tornar um tormento, mesmo para os mais experientes. São inúmeros os acidentes e emergências registrados em trilhas no Brasil, desde aventureiros perdidos, quedas e luxações a incidentes fatais. Pensando nisso, a Associação Férias Vivas separou 8 dicas para você e sua família passearem com segurança e tranquilidade.

Não se esqueça de baixar o app “Eu Vivi” para Google Play

O Aplicativo Eu Vivi Esta Experiência é uma ferramenta inédita de mapeamento da segurança em atividades turísticas. Nosso objetivo é orientar o turista e os profissionais de turismo sobre a importância de identificar riscos e prevenir acidentes, garantindo, assim, segurança e tranquilidade para suas viagens.

Sua experiência foi positiva? Aproveite para valorizar o trabalho de profissionais que atuam com segurança!

Teve uma viagem frustrada? Não deixe que sua experiência seja em vão! Registre situações de risco e acidentes que você presenciou e contribua para evitar que outras pessoas virem vítimas da negligência e da falta de preparo técnico.

Agora que já conhece nosso app, vamos às dicas!

TURISMO SEGURO

 1.   Planejamento: Segurança em primeiro lugar!
Conheça a trilha a ser percorrida e planeje o roteiro para não se perder no meio da mata. Procure guias confiáveis e mapas, trace eventuais rotas de fuga e anote contatos de moradores e prestadores de serviços locais.

Respeite as suas limitações físicas. Você pode se machucar mesmo em trilhas “fáceis”. Se for principiante, faça caminhadas leves, sem muitas subidas e descidas. Mesmo em trilhas já conhecidas podem ocorrer imprevistos.

Comece cedo pela manhã e se organize para estar de volta no máximo ao meio da tarde, evitando assim problemas por falta de iluminação.

Evite os dias chuvosos, com possibilidade de chuva e após temporais. Trilhas molhadas são mais perigosas e aumentam os riscos de acidentes.

Dica: O aplicativo Parques do Brasil reúne informações sobre as principais unidades de conservação do país, incluindo: localizações geográficas, horários de funcionamento, descrição das trilhas, atividades disponíveis, condições de acessibilidade e preços de ingressos.

2.   Look trilheiro: Escolha roupas adequadas.
Calças e camisetas leves são a melhor opção. É fundamental que o calçado seja fechado, antiderrapante e confortável. Assim, você garante estabilidade e se protege de machucados e picadas de animais peçonhentos.

Leve uma troca de roupas secas caso as suas molhem.

Dê preferência a mochilas para ter sempre as mãos livres.

A temperatura em meio à natureza é geralmente mais baixa, então, em dias mais frios, reforce o vestuário, com meias de lã e casacos.

Bonés e chapéus são mais que acessórios e devem estar aliados ao uso do protetor solar, indispensável em qualquer esporte ao ar livre.

3.   Saco vazio não fica em pé: Esteja bem alimentado e hidratado.
É imprescindível que você leve água e alimentos para consumo durante o trajeto. Hidrate-se e alimente-se ao longo do passeio, a falta desses recursos pode provocar desidratação e desmaios.

São recomendadas reservas de alimentos e água em maior quantidade do que seriam ingeridos normalmente para o caso de emergências.

4.   Kit sobrevivência: Equipamentos básicos.
Você deve levar consigo: um pequeno kit de primeiros socorros, lanterna, agasalho impermeável, canivete e fósforos. Adicione à lista um pequeno cartão com informações essenciais como seu nome completo, tipo sanguíneo, endereço, nomes e contatos de emergência.

5.   Sempre conectados: Tenha um celular carregado.
Apesar da ideia ser entrar em contato com a natureza, use a tecnologia ao seu favor e leve um celular com a bateria carregada e, se possível, uma bateria extra. O aparelho pode ser fundamental em situações de resgate permitindo ligações para solicitar ajuda e o compartilhamento da localização em tempo real.

6.   Quem avisa, amigo é: Deixe alguém avisado.

Avise com antecedência um familiar ou amigo sobre os seus planos: local da caminhada, quem vai estar consigo, a data e o horário de retorno.

7.   Juntos vamos mais longe: Caminhe em grupo e com um guia de confiança.
Jamais fique sozinho! O número ideal por grupo é de, no mínimo, três integrantes. Assim, em caso de acidente, uma pessoa acompanha a vítima e outra busca socorro.

É recomendada a presença de um guia capacitado, com seguro e que cumpra as normas básicas de respeito à natureza.

8.   Espírito aventureiro: Atenção à trilha!
Deixe sinais visíveis pelo caminho como fitas coloridas amarradas em árvores ou pegadas bem marcadas. Isso orienta a retomar o caminho, caso necessário, bem como auxilia as equipes de resgate. Fique atento à trilha e ao mapa para não errar as direções.

Esteja focado ao local onde pisa, coloca as mãos, senta-se ou deita-se para descanso. Confira, ainda, seus objetos ao manuseá-los, já que insetos e animais peçonhentos podem ser atraídos ou procurar abrigo nesses utensílios.

Quando precisar retirar ou colocar um objeto na mochila ou mesmo quando for tirar uma foto da paisagem, jamais o faça em movimento.

Atenção constante ao caminho: paredões rochosos, despenhadeiros, fendas, tocas e pequenas grutas, bifurcações, locais pantanosos e escorregadios, brejos e atoleiros devem ser evitados.

Gostou do conteúdo e quer saber mais sobre caminhadas? Clique aqui e informe-se.

A sua segurança começa por você! Ao planejar um passeio considere não somente o valor financeiro, mas a competência dos prestadores de serviços e mesmo, a condição e manutenção dos equipamentos fornecidos.

VOCÊ JÁ PASSOU APUROS EM UMA VIAGEM? PODEMOS AJUDÁ-LO!

Criada em 2002, a Associação Férias Vivas surgiu a partir de uma dolorosa constatação pessoal: a negligência e a falta de infraestrutura adequada podem transformar em pesadelo os mais desejados momentos de lazer. Fala-se em tragédia e casos fortuitos, mas estamos aqui para provar que essas ocorrências são fruto da falta de planejamento e do descaso com a qualidade do serviço.

Da perplexidade partimos para a luta – e hoje já contabilizamos um elenco expressivo de ações voltadas para a implantação de um turismo consciente, dando suporte e orientação tanto para o prestador de serviço como para o viajante.

Fale conosco: contato@feriasvivas.org.br | 11 5051-4160

ÚLTIMOS ARTIGOS

Capítulo 1 – Como proporcionar segurança e acessibilidade

Quando nós falamos em acessibilidade, grande parte das pessoas imagina que se trata apenas de adaptações feitas em locais públicos para garantir que pessoas com diversos tipos de deficiências sejam incluídas na sociedade. Como, por exemplo, as rampas de acesso em calçadas para cadeirantes ou a utilização de dispositivos de voz para deficientes visuais.

2021-08-25T14:05:09-03:00
Ir ao Topo