Artigos

SINALIZAÇÃO TURÍSTICA: TODOS DEVEM EXIGIR A SUA PRESENÇA
por Marília Akemi Ouchi

Ao realizar uma atividade de turismo ou lazer, você já parou para prestar atenção na sinalização turística ao redor? Sinalização turística é aquela utilizada para informar os usuários sobre a existência e localização de atrativos turísticos e de outros referenciais, sobre os melhores percursos de acesso e, ao longo desses, a distância a ser percorrida para se chegar ao local pretendido, bem como aquela que reúne os avisos referentes à garantia da segurança do usuário. Além de existir, a sinalização precisa ter qualidade.

A sinalização turística facilita o reconhecimento e o entendimento de obstáculos e perigos que existem em empreendimentos que fazem parte da atividade turística da região. Os meios de hospedagem, parques, unidades de conservação, praias e outros locais que fazem parte da cadeia turística devem adotar a utilização de placas sinalizando pisos escorregadios, profundidade das piscinas, avisos de perigo, equipamentos necessários para a realização de uma atividade específica e tantos outros sinais que servem para alertar os turistas e visitantes a não correrem riscos desnecessários.

Muitos desconhecem que a eficiência dos serviços e a garantia da segurança dos usuários dependem muito dessa sinalização. Ela orienta, auxilia e direciona o usuário de forma que ele não seja imprudente, tome cuidados necessários para não arriscar-se e para que não fique como uma “barata tonta” num lugar que desconhece ou do qual pouco sabe a respeito.

No exterior é muito comum existirem as atividades auto-guiadas. Seja de carro, bicicleta ou a pé, os turistas contam com uma boa estrutura de sinalização, possibilitando a independência de guias e excursões que podem limitar sua experiência. Também existem agências que já fazem pacotes de viagens desse tipo: incluem as passagens aéreas, cuidam do transporte de bagagens, dos serviços de hospedagem e entregam mapas detalhados com roteiros flexíveis para que o turista sinta-se à vontade para caminhar, pedalar ou dirigir até o destino que escolher.

Infelizmente, no Brasil, a sinalização turística ainda não é tão bem trabalhada, em alguns lugares é inexistente ou muito precária e o planejamento para esse tipo de turismo auto-guiado não é recomendável.

Para ser eficiente, a sinalização turística deve seguir objetivos e princípios básicos, como:

- Legalidade: estar de acordo com as leis e códigos do Estado e/ou Município;
- Padronização: um padrão pré-estabelecido facilita na identificação das placas, seja por cores, formatos, localização ou letras utilizadas;
- Visibilidade, legibilidade e segurança: é necessário que a sinalização esteja em lugar visível e legível de forma que seja possível a tomada de decisão rápida e segura;
- Suficiência: com um conteúdo suficiente para que o usuário seja conduzido de forma correta de acordo com seu objetivo de visita;
- Continuidade e coerência: para que o usuário receba informações corretas e coerentes para conseguir percorrer e chegar e ao destino pretendido;
- Atualidade e valorização: adequando a sinalização à situação atual da via de acesso e do atrativo e mantendo seu valor, ou seja, evitando gerar informações erradas;
- Manutenção e conservação: ser mantida limpa, bem conservada, bem fixada e corretamente iluminada.

Para estabelecer a sinalização de orientação turística, é necessário um bom planejamento, levando-se em conta o âmbito regional e urbano, com o objetivo de definir como pedestres e motoristas podem utilizar a infra-estrutura local de maneira correta e facilitada.

É possível ainda que um determinado trajeto ou caminho seja escolhido ou estimulado, de forma a evitar os impactos negativos das visitações em uma localidade. Portanto, para que isso aconteça, é necessário que sejam criadas condições favoráveis à sua utilização, considerando-se os aspectos de segurança, acessibilidade para todos, inclusive portadores de deficiência física, além de conforto e atratividade.

Uma sinalização turística de qualidade garante a segurança dos usuários, assim como o desenvolvimento responsável do turismo.

Hoje é possível e necessário investir em sinalização turística. Isso pode ser feito através de programas de incentivo de governos estaduais e federal, desde que se tenha um bom projeto, adequado à realidade de cada município. Vale saber mais a respeito, consultando fontes como o DTS Sinalização Turística (www.dts.ind.br) e o Guia Brasileiro de Sinalização Turística do Ministério do Turismo.

 

Marília Akemi Ouchi é turismóloga, pós-graduanda em Marketing e voluntária da ong Férias Vivas,  fundada em 2002, com a missão de "educar para o turismo e lazer seguro e responsável".

 

Av. Lavandisca, 168
São Paulo/SP 04515-010
Tel.: (11) 5051-4160
Política de
privacidade